Dor no Cóccix (Coccidínia)

O que é coccidínia?

A inflamação do cóccix (área óssea localizada profundamente entre as nádegas, acima do ânus) é referida como coccidínia. A coccidia está associada a dor e sensibilidade na ponta do cóccix entre as nádegas. Sentado muitas vezes piora a dor do cóccix.

A dor no cóccix pode parecer incômoda e dolorida, mas tipicamente se torna aguda durante certas atividades, como sentar-se, levantar-se de uma posição sentada para uma posição em pé ou permanecer de pé por períodos prolongados.

Defecação e relações sexuais também podem se tornar dolorosos. Para as mulheres, a dor no cóccix também pode tornar a menstruação mais desconfortável.

A dor no cóccix geralmente desaparece sozinha dentro de algumas semanas ou meses.

A coccidínia é considerada relativamente rara, mas faltam dados sobre a exata incidência e prevalência da doença.

A coccidínia é vista em homens e mulheres; no entanto, as mulheres parecem ser mais afetadas que os homens.

coccidinia

Sintomas de coccidínia

O principal sintoma é dor e sensibilidade na área logo acima das nádegas.

A dor pode:

  • ser incômoda e dolorida a maior parte do tempo, com dores agudas ocasionais
  • ser pior ao sentar-se, ao mudar de posição (ao se levantar), ao ficar de pé por longos períodos, durante relações sexuais ou após evacuar
  • dificultar muito o sono
  • Dificultar realizar atividades cotidianas, como dirigir ou curvar a coluna

Algumas pessoas também desenvolvem dores nas costas, dores nas nádegas e pernas tipo ciática, e dores nos quadris.

Tratamentos

Os pacientes com coccidínia são aconselhados a usar um assento bem acolchoado quando estão sentados e evitam períodos longos de sentar quando possível.

Se a dor se tornar grave ou persistentemente incômoda, deve-se realizar uma avaliação médica para avaliar com precisão a causa da dor, especialmente se houver hematomas ou erupções cutâneas associadas.

Repouso (evitando reincidência na área afetada) medicamentos antiinflamatórios e analgésicos podem aliviar os sintomas. Sentar-se em um travesseiro, com suporte de nádegas pode ajudar.

Possíveis tratamentos para dor crônica no cóccix podem incluir:

Fisioterapia. Um fisioterapeuta pode mostrar-lhe como fazer técnicas de relaxamento do assoalho pélvico, como respirar profundamente e relaxar completamente o assoalho pélvico – como faria ao urinar ou defecar. A fisioterapia para coccidínia pode envolver o trabalho manual em estruturas musculares rígidas e dolorosas, como os músculos levantadores do ânus, coccígeo ou piriforme. Técnicas de liberação miofascial podem ser usadas. Modalidades locais também podem ser úteis.

Acupuntura. A acupuntura, devido a seus efeitos analgésicos e anti-inflamatórios, pode ser usada no alívio das dores da coccidínea.

Manipulação. Massagear os músculos ligados ao cóccix pode ajudar a aliviar a dor. Manipulação é tipicamente feita através da região retal pelo fisioterapeuta.

Medicação. Uma injeção de anestésico local no cóccix pode aliviar a dor por algumas semanas. Certos antidepressivos ou medicamentos antiepilépticos podem aliviar a dor do cóccix também.

Injeções. O tratamento para pacientes com coccidínia persistente pode incluir injeções locais de cortisona. Este procedimento pode aliviar a dor crônica e até mesmo resolver os sintomas para muitos. Às vezes, a injeção é feita guiada por ultrassonografia.

Cirurgia. Durante um procedimento conhecido como coccigectomia, o cóccix é removido cirurgicamente. Em um pequeno número de casos em que outros tratamentos não ajudaram, a cirurgia pode ser necessária para manipular o cóccix. Essa opção é normalmente recomendada apenas quando todos os outros tratamentos falharem.

Compartilhe a informação
Quadril-Brasília
Quadril-Brasília

Dr. Márcio R. B. Silveira, criou a Clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura em Brasília / DF, para atuar principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *